MIOCARDITE LÚPICA AGUDA COM EXCELENTE RESPOSTA A IMUNOSSUPRESSÃO: RELATO DE CASO

MIOCARDITE LÚPICA AGUDA COM EXCELENTE RESPOSTA A IMUNOSSUPRESSÃO: RELATO DE CASO

S174 r e v b r a s r e u m a t o l . 2 0 1 7;5 7(S 1):S139–S207 a Metilpredinisolona 125 mg 1x/dia seguido por pulsoterapia com Metilpredinisolona 1...

49KB Sizes 0 Downloads 73 Views

S174

r e v b r a s r e u m a t o l . 2 0 1 7;5 7(S 1):S139–S207

a Metilpredinisolona 125 mg 1x/dia seguido por pulsoterapia com Metilpredinisolona 1 g por 5 dias. Discussão: As complicac¸ões neurológicas mais comuns pelo zika vírus em adultos são Síndrome de Guillain-Barré, meningoencefalite, mielorradiculite, oftalmoplegia externa e mielite. A avaliac¸ão simples do líquor, sem a análise de PCR para o vírus, é usualmente inespecífica, sem correlac¸ão com achados clínicos. O tratamento varia de acordo com o acometimento neurológico, baseando-se em imunoglobulina humana e pulsoterapia com corticosteroides. Conclusão: As manifestac¸ões clínicas do Zika vírus são inespecíficas e brandas, porém, casos como este demonstram a necessidade de considerar tal diagnóstico em pacientes com mielite transversa.

refer ê ncias

1. Palacios E, Clavijo-Prado C, Ruiz A, Antun A, Duran EJ. Mielitis longitudinalmente extensa y virus del Zika, reto diagnóstico: a propósito de un caso en hospital de Colombia 2016. Neurología. 2016, http://dx.doi.org/10.1016/j.nrl.2016.08.006. 2. Pinheiro TJ, Guimarães LF, Silva MTT, Soares CN. Neurological manifestations of Chikungunya and Zika infections. Arq Neuro-Psiquiatr. 2016;74:937–43.

http://dx.doi.org/10.1016/j.rbr.2017.07.181 PO289 MIOCARDITE LÚPICA AGUDA COM EXCELENTE RESPOSTA A IMUNOSSUPRESSÃO: RELATO DE CASO L. Martins, I. Rocha, C. Lucena, N. Cavalcanti, R. Guimarães, H. Mariz, C. Marques, A.P. Duarte Hospital das Clínicas (HC), Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), Recife, PE, Brasil Palavras-chave: Miocardite; Lupus Eritematoso Sistêmico; Imunossupressão

de miocardite aguda. Houve piora da func¸ão renal sem evidência de nefrite (proteinúria 304 mg/24 h, sem hematúria e cilindrúria). Descartada causa infecciosa, sem evidencia de TEP na cintilografia e ECG normal, foram realizados pulsoterapia com metilprednisolona (1 g/dose) por 4 dias seguidos e de ciclofosfamida (750 mg/dose), além do manejo clínico da insuficiência cardíaca aguda. Evoluiu satisfatoriamente, no controle semanal, o ECO mostrou FE de 39,6%, HAP (PSAP 45 mmHg) e derrame pericárdico discreto. Recebeu alta em boas condic¸ões clínicas, com corticoide e programac¸ão de pulsoterapia mensal com ciclofosfamida. CONSIDERAC ¸ ÕES: A miocardite lúpica é uma condic¸ão rara e potencialmente fatal. Existem poucos estudos publicados e o tratamento baseia-se em relatos de casos isolados ou descric¸ão com pequenas séries, extrapolando-se para os esquemas usados na nefrite e SNC. Destacamos a rápida e excelente resposta, justificada pelo diagnóstico precoce e conduta adequada, aliados a terapia imunossupressora e monitoramento intensivo mudando assim o prognóstico deste comprometimento grave e fatal.

refer ê ncias

1. Thomas G, Aubart FC, Chiche L, Haroche J, Hié M, Hervier B, et al. Lupus Myocarditis: Initial Presentation and Longterm Outcomes in a Multicentric Series of 29 Patients. J Rheumatol. 2017;44:24–32. 2. Ishimori ML, Agarwal M, Beigel R, Ng RK, Firooz N, Weisman MH, et al. Systemic lupus erythematosus cardiomyopathy— a case series demonstrating a reversible form of left ventricular dysfunction. Echocardiography. 2014;31:563–8. 3. Garcia MA, Alarcon GS, Boggio G, Hachuel L, Marcos AI, Marcos JC, et al. Primary cardiac disease in systemic lupus erythematosus patients: protective and risk factors—data from a multi-ethnic Latin American cohort. Rheumatology (Oxford). 2014;53:1431–8. 4. Zawadowski GM, Klarich KW, Moder KG, Edwards WD, Cooper LT Jr. A contemporary case series of lupus myocarditis. Lupus. 2012;21:1378–84.

http://dx.doi.org/10.1016/j.rbr.2017.07.182 PO290

Introduc¸ão: Dentre as manifestac¸ões cardíacas no LES, a miocardite acomete cerca de 10% dos pacientes, variando desde assintomáticos até morte súbita, e requer, em especial, um tratamento precoce devido à possibilidade de progressão para arritmias, distúrbios de conduc¸ão, cardiomiopatia dilatada e ICC com dano estrutural permanente. Relatamos uma paciente cuja atividade neste surto foi de uma miocardite aguda, sem disfunc¸ão cardíaca prévia. Relato de caso: DST, 28 anos, sexo feminino, diagnóstico de LES há 8 anos com lesão cutânea discoide, alopecia, artrite, serosite, nefrite, plaquetopenia, FAN e consumo de complemento (Critério SLICC 2012). Foi admitida com dispneia aos mínimos esforc¸os e cianose. Ao exame físico hipotensa, crepitac¸ão em bases pulmonares, anasarca, taquicardia e lesões cutâneas em atividade. Evidenciou-se derrame pleural bilateral, cardiomegalia, marcadores de necrose miocárdica elevados, ecocardiograma com disfunc¸ão sistólica importante (FE de 26%), derrame pericárdico, disfunc¸ão de VD e hipertensão arterial pulmonar (HAP) com PSAP 70 mmHg, sugestivos

MIOCARDITE LÚPICA: RELATO DE DOIS CASOS A.C.M. Sodré, F.F. Barboza, M.M.M. Cortês, J.F. Pignatari, A.A.V. Pugliesi, S. Appenzeller, L.T.L. Costallat Disciplina de Reumatologia, Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), Campinas, SP, Brasil Palavras-chave: Miocardiopatia; Lúpus Eritematoso Sistêmico Introduc¸ão: O miocardite sintomática do Lúpus Eritematoso Sistêmico (LES) é pouco frequente. Apresenta-se geralmente com disfunc¸ão de ventrículo esquerdo, de curso agudo ou crônico. É potencialmente grave, com alta morbimortalidade. O tratamento inclui medidas para insuficiência cardíaca, altas doses de glicocorticoides e imunossupressores.